Promoção!

Braga de/by André Soares

28.85  25.97 

André Soares foi o maior vulto do rococó português e um dos mais inesperados na Europa. A sua obra, de uma criatividade imensa, desenvolve-se, sobretudo, no domínio da arquitetura e da talha e está espalhada pelo norte de Portugal, de Viana do Castelo a Guimarães, Lamego e vários outros locais, tendo Braga como ponto principal. Este livro traça o seu percurso biográfico e dá a conhecer as suas obras, com especial relevância para as localizadas na área de Braga.

Descrição

cab-00

André Soares foi o maior vulto do rococó português e um dos mais inesperados na Europa. A sua obra, de uma criatividade imensa, desenvolve-se, sobretudo, no domínio da arquitetura e da talha e está espalhada pelo norte de Portugal, de Viana do Castelo a Guimarães, Lamego e vários outros locais, tendo Braga como ponto principal. Este livro traça o seu percurso biográfico e dá a conhecer as suas obras, com especial relevância para as localizadas na área de Braga.

 

André Soares was the greatest figure of the Portuguese Rococo style and one of the most unexpected talents in Europe. His immensely creative work developed primarily in the field of architecture and wood carving, widespread through the North of Portugal, from Viana do Castelo to Guimarães, Lamego and several other locations, having Braga as its main core. This book traces the salient points of his biography and reveals his works, giving special relevance to those located in the area of Braga.

 

Braga de/by André Soares
(edição bilingue, de luxo, em capa dura, com sobrecapa)

Texto e Coordenação / Text and Coordination: Eduardo Pires de Oliveira
Fotografia / Photography: Libório Manuel Silva
Prefácio / Preface: Vitor Serrão
Págs: 160
ISBN: 978-989-615-194-2
1ª Edição / Edition:  Maio /2014
PVP / Price: 28,85 EUR

capa-livro-ca-bragadeandresoares190

LIVRO

André Soares foi o maior vulto do rococó português. Autodidata, desenvolveu a sua arte a partir de gravuras de Augsburgo. A sua obra é profundamente emotiva. Desenvolve-se, sobretudo, no domínio da arquitetura e da talha e está espalhada pelo norte de Portugal, de Viana do Castelo a Guimarães, Lamego e vários outros locais, tendo como centro principal a cidade de Braga. Este livro traça o seu percurso biográfico, analisa as razões por que foi convidado a fazer várias obras e estuda o seu singular percurso artístico, entre o tardobarroco e o rococó. Dá a conhecer as suas obras, com especial relevância para as localizadas na área de Braga. Obras como a capela dos Monges, no convento dos Congregados, podem contar-se entre as mais impressionantes do tardobarroco na Europa. Já o Palácio do Raio, a fachada da capela de Santa Maria Madalena da Falperra e a insólita casa de Fresco na mata do Bom Jesus do Monte são obras-primas do rococó europeu, o mesmo se podendo dizer do conjunto da talha do mosteiro de Tibães, nomeadamente a da capela-mor.
Eduardo Pires de Oliveira


BOOK

André Soares was the greatest figure of the Portuguese Rococo style. As an autodidact, his art evolved from Augsburg prints he clearly knew well. His work is deeply emotional, and mostly developed in the field of architecture and wood carving, with the town of Braga as its main center, and widespread through the North of Portugal, from Viana do Castelo to Guimarães, Lamego and several other locations.
This book provides his biography, analyzes the reasons for which he was invited to create several major works, and studies his singular artistic path between the late Baroque and Rococo, giving special relevance to those works located in the area of Braga. Works such as the Capela dos Monges, in the Oratorian convent, may be amongst the most impressive in the European late Baroque; yet the Raio Palace, the façade of the chapel of St. Mary Magdalene in Falperra and the unusual Casa de Fresco (a pillared portico over a fountain) in the Bom Jesus do Monte park are masterpieces of the European Rococo, and the same can be affirmed about the wood carving ensemble of the Tibães Monastery, and in particular about the one in the main chapel.
Eduardo Pires de Oliveira

André Soares foi o autor de algumas das obras mais emblemáticas da arquitetura da Idade Moderna portuguesa, tanto em Braga (a Igreja da Falperra, a Casa do Raio, a Casa da Câmara, o Palácio dos Biscainhos, a Capela de Nossa Senhora da Torre, a espantosa Capela dos Monges nos Congregados, etc.), como em Guimarães (a Igreja dos Santos Passos, excluídas as torres hodiernas), em Viana do Castelo (Palácio dos Malheiro Reimões), em Arcos de Valdevez (Igreja da Lapa), e em outros lugares do Minho. O desenho da sua arquitetura é assaz pessoalizado, no jogo dos volumes, dos recortes e das curvas, estas quase se diria borrominescas, sempre num apego à cenografia e à encantação do ornamento gordo, que lhe caracterizam os estilemas. Teve génio para deixar a sua marca inconfundível, também, no campo da talha retabular e na talha de equipamento litúrgico, pois a ele se deveu o ‘risco’ de obras de entalhe tão grandiosas como a que reveste o mosteiro de Tibães (altares da capela-mor, transepto e sacristia), ou a do retábulo de Nossa Senhora do Rosário da igreja de São Domingos em Viana do Castelo.
Vitor Serrão
(professor universitário; historiador de arte.
Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa)

André Soares was the author of some of the most emblematic works of architecture of the Portuguese Early Modern Age, both in Braga (the Falperra Church, the Raio Palace, the Town Hall, the Biscainhos Palace, the chapel of Nossa Senhora da Torre, the amazing chapel of the Monks in the Oratorian Convent, etc.) and in Guimarães (the church of the Santos Passos, without taking into account the current towers), in Viana do Castelo (the palace of the Malheiro Reimão family), in Arcos de Valdevez (the Lapa Church), and in a few other towns throughout the Minho Region. The design of his architecture is rather personified, whether in the interplay of volumes, the outlines or the almost Borromini-like curves, always attached to the scenography and to the enchantment with the corpulent ornament, a feature of his stylistic imprints. His genius allowed him to leave his unique and unmistakable mark in the woodcarving of altarpieces and of liturgic equipments, for it was due to his “sketching” that major works of woodcraft exist, such as the ones overlaying the Tibães monastery (main chapel altar, transept and sacristy) or the altarpiece of Nossa Senhora do Rosário in the church of São Domingos in Viana do Castelo.
Vitor Serrão
(University professor, art historian.
Art History Institute, Faculty of Arts, University of Lisbon)

Para mais informações consultar:
Tese de doutoramento «André Soares e o rococó do Minho», de Eduardo Pires de Oliveira, disponível em http://hdl.handle.net/10216/62456

 

AUTORES

Eduardo Pires de Oliveira. Braga, 1950
Doutorado em História de Arte pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto com o tema “André Soares e o rococó do Minho”. Prémio José de Figueiredo (Academia Nacional de Belas Artes, 1994). Autor de mais de 170 livros e artigos científicos de que se destacam: Braga. Percursos e memórias de granito e ouro (1999); O Convento do Salvador, Braga (1994); e Braga. Evolução da estrutura urbana (de col. com Eduardo Souto Moura e João Mesquita, 1982). Investigador Integrado do Instituto de História de Arte – Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Temas principais de trabalho: Barroco e rococó no Minho e A diáspora dos artistas minhotos pelo mundo nos séculos XVII e XVIII.


AUTHORS

Eduardo Pires de Oliveira. Braga, 1950
Eduardo Pires de Oliveira obtained his Doctorate in Art History from the Faculty of Arts at the University of Porto, with a dissertation on the theme “André Soares and the Rococo of the Minho region”. He received the José de Figueiredo prize in 1994 from the Portuguese Academy of Fine Arts. He is the author of over one hundred and seventy books and scholarly articles among which the following stand out: Braga. Percursos e memórias de granito e ouro (1999); O Convento do Salvador, Braga (1994); and Braga. Evolução da estrutura urbana (co-authored with Eduardo Souto Moura and João Mesquita, 1982). He is a researcher at the Art History Institute at the Faculty of Arts, University of Lisbon. His main themes of interest are: Baroque and Rococo in the Minho region andthe Diaspora of the artists from the Minho region in the seventeenth and eighteenth centuries.

Libório Manuel Silva. Braga, 1964
Editor, desde 1995, e autor de mais de 20 livros (Bibliotecas – Maravilhas de Portugal,  A Nau Catrineta e a História Trágico-Marítima: Lições de Liderança,palavras do Livro do Desassossego, …) e 100 artigos publicados nos principais jornais e revistas portugueses. Tem dez anos de experiência como docente no ensino superior, uma pós-graduação em Gestão, uma outra, internacional (EUA, França, Coreia do Sul e Japão), em Excelência nos Serviços e ainda a frequência num MBA de Comércio Internacional.
Partilha a sua fotografia sobre livros emwww.booksphotography.net
Os seus dois filhos são a sua principal fonte de inspiração.

Libório Manuel Silva. Braga, 1964
An editor, since 1995, Libório Manuel Silva has written more than twenty books (Libraries – Wonders of Portugal, A Nau Catrineta e a História Trágico-Marítima: Lições de Liderança, palavras do Livro do Desassossego, …) and over one hundred articles published in Portuguese magazines and newspapers.
Libório Manuel Silva has taught for more than ten years in higher education, and has undertaken postgraduate studies in Management and in international centres (USA, France, South Korea and Japan) in Excellence in Services. He began an MBA in International Business.
Share your photography about books onwww.booksphotography.net
His two children are his main source of inspiration.

 

NOTÍCIAS / NEWS


No IX Colóquio Luso-Brasileiro de História da Arte, a decorrer em Belo Horizonte, Brasil, de 2 a 5 de Novembro, Eduardo Pires de Oliveira será o primeiro palestrante – logo após a sessão de abertura – com uma comunicação intitulada «André Soares – Cenografias em Arquitectura».
André Soares foi o maior vulto do rococó português e autor de algumas das obras mais emblemáticas da arquitectura da Idade Moderna portuguesa.
Eduardo Pires de Oliveira, doutorado em História de Arte e principal Investigador na obra de André Soares, é coordenador do livro «Braga de/by André Soares».

«Braga: Uma jóia a expor-se ao Mundo»
O responsável pelo 26º Congresso Nacional de Hotelaria e Turismo que se realizou em Braga (19 a 21 de Outubro) recebeu de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, o livro «Braga de/by André Soares» de Eduardo Pires de Oliveira e Libório Manuel Silva.
Por sua vez, a 28 de Outubro, Pierre Bernard, Embaixador da Bélgica em Portugal, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, também recebeu o mesmo livro do Presidente da Câmara Municipal de Braga – André Soares, que nasceu e viveu em Braga, foi o maior vulto do rococó português e autor de algumas das obras mais emblemáticas da arquitectura da Idade Moderna portuguesa.

Diário do Minho, Correio do Minho, Câmara Municipal de Braga, Outubro de 2014

Há livros que proporcionam um verdadeiro prazer estético e este [«Braga de/by André Soares»] é um deles. Numa edição bílingue de grafismo primoroso, apresenta-se aqui uma versão simplificada da tese de doutoramento de Eduardo  Pires de Oliveira, ilustrada com as belíssimas fotos de Libório Manuel  Silva.
O intuito da obra é divulgar a obra daquele que é um dos mais importantes  artistas do Portugal setecentista, André Ribeiro Soares da Silva  (1720-1769). Verdadeiramente dado a conhecer há 40 anos, no estudo pioneiro  de Robert Smith («André Soares, arquitecto do Minho», Livros Horizonte,  Lisboa, 1973), ele é agora amplamente revisitado por Eduardo Pires de  Oliveira, que descobriu e publicou nova documentação e que aduz uma  interpretação nova, que valoriza o grande artista para lá das fronteiras do  seu Minho natal e da Braga a que dedicou o melhor do seu esforço, afirmando-o como um artista operoso em todo o norte do país, num aro que vai de Viana do Castelo ao Porto e de Guimarães a Vila Real.
O livro, enriquecido com um prefácio de Vítor Serrão, estrutura-se em torno das duas principais actividades de André Soares, de arquitecto e mestre da talha. Situa-nos na florescente Braga de meados de Setecentos, cuja fisionomia se transforma por vontade do seu régio arcebispo D. José de Bragança e por obra, principalmente deste artista que soube adaptar, transpor e explorar motivos das gravuras de Augsburg para criar retábulos e fachadas, que estão entre o que de melhor se produziu no Portugal do seu tempo.
A obra aborda ainda a problemática do Barroco tardio e da introdução do Rococó, que tanto devem a este eclesiástico de ordens menores, cuja vida não durou meio século e cujo risco marcou de forma perene a Braga dos arcebispos, colocando o Minho decididamente na geografia europeia deste último estilo.
As fotos de Libório Manuel Silva valorizam de forma espectacular o texto, introduzindo-nos no universo de maravilha que é Tibães, conduzindo-nos à
Falperra, levando-nos a admirar a Casa do Raio ou os Paços do Concelho bracarense, entre muitas outras obras saídas do traço e do génio de André Soares, ao estudo de quem Eduardo Pires de Oliveira dedicou décadas de trabalho. Com efeito, é preciso conhecer a fundo a vida e obra de um autor para lograr alcançar uma síntese tão perfeita, traduzida no objectivo plenamente alcançado por este belíssimo livro: apresentar aquele que é, a par de Nicolau Nasoni, o mais importante criador artístico do norte de Portugal no século XVIII.

Brotéria, vol. 179 de Julho/2014 – recensão de José Alberto Machado

Segunda edição da obra “Braga de André Soares” é apresentada na Feira do  Livro

Lançado no fim de maio deste ano, a obra “Braga de André Soares”, da autoria  de Eduardo Pires de Oliveira (texto) e de Libório Manuel Silva (fotos) já
tem uma segunda edição.
O sucesso da obra tem sido notório, razão por que os autores avançaram já com esta 2.ª edição – que será apresentada na Feira do Livro de Braga no próximo sábado, 12 de julho, às 18h00.
Após esta apresentação, seguir-se-á uma sessão de autógrafos em que marcarão  presença os dois autores da obra.
Recorde-se que André Soares foi o mais importante arquiteto bracarense do chamado “período rococo”, sendo da sua autoria o desenho de alguns dos mais relevantes edifícios e retábulos de Braga (e não só), como o da igreja da Santa Maria Madalena (Falperra) e o retábulo da igreja de Tibães.

Diário do Minho, 10 de Julho de 2014

 https://www.youtube.com/watch?v=UDTtSAjuOFo

SIC MULHER, “MAIS MULHER”, 10 de Julho de 2014

O André Soares de Braga estudado por Eduardo Pires de Oliveira e fotografado por Libório Manuel Silva

Robert Smith escreveu: “Poucos casos há, na história da arte, como André Soares, grande poeta do granito, virtuoso do castanho dourado. Amador inspirado, no espaço de pouco mais de duas épocas, conseguiu transformar a sua cidade natal, tornando-a um dos monumentos proeminentes do barroco peninsular, enaltecendo-a com o génio dos seus distintos estilos pessoais”.
Flávio Gonçalves afirmou: “Beata e mundana, a cidade dos arcebispos… entregou-se apaixonadamente ao rococó, que abraçou à primeira vista e sem olhar para trás… conseguindo André Soares [com o timbre do seu génio], através das suas igrejas, palacetes e retábulos, ser a voz da sociedade que o rodeia”.
Por sua vez, Paulo Varela Gomes proclamava: “André Soares, o arquitecto português do século XVIII que mais longe foi na via do barroco”, considerando que “… é um dos personagens de um verdadeiro «mistério», não só da arquitectura portuguesa como da mundial”.
E Vítor Serrão, cujo prefácio só li depois de redigidas estas mal notadas letras, não hesita em afirmar que: “André Soares foi o maior vulto do rococó português, um artista de forte e original personalidade, uma das mais marcantes figuras da arte setecentista a nível nacional”.
Este reconhecimento e o de outros especialistas que me escuso de citar, sobre a originalidade, o pioneirismo, a criatividade e o talento de André Soares, apenas reforça a profunda gratidão com que devemos acolher este magnífico trabalho de Eduardo Pires de Oliveira e Libório Manuel da Silva, que espero atinja os objectivos com que foi pensado e se torne mais um forte argumento para incluir Braga nas rotas mais procuradas do turismo cultural qualificado, para o que a tradução em inglês constitui um importante contributo.
Henrique Barreto Nunes (Antigo Director da Biblioteca Pública de Braga e do Arquivo Distrital) in Diário do Minho – Suplemento Cultura, 18 de Junho de 2014

Agora podemos passear com a cidade de André Soares nas mãos

No final do mês passado, foi lançado um livro sobre os 23 anos durante os quais o arquitecto André Soares, nome maior do barroco e do rococó no Minho, mudou a face de Braga. Ao alcance de todos, está agora um roteiro turístico centrado nas suas principais obras.

Público – Fugas, 14 de Junho de 2014

Embaixador sul coreano recebeu na Câmara livro sobre tesouros do Barroco bracarense


[na foto: Carlos Oliveira – Presidente da InvestBraga, Yoo Junghee – Embaixador da Coreia do Sul e Ricardo Rio – Presidente da Câmara Municipal de Braga]
Correio do Minho, 12 de Junho de 2014

«Braga de André Soares»

«Braga de André Soares» é uma edição de luxo – de luxo pela subida qualidade do texto, de luxo pela grande beleza das fotografias, de luxo pelo magnífico grafismo, e até de luxo pela invulgar qualidade do papel que lhe serve de suporte. É uma edição que muito dignifica Bracara Augusta e os seus autores – e, sobretudo, o génio de André Soares, bem como as belas e monumentais obras de arquitetura (e retábulos) que nos deixou.

O livro de Eduardo Pires de Oliveira e de Libório Silva constitui, para além de uma obra de alto valor científico e artístico, um extraordinário veículo de divulgação turística do património construído bracarense, com os consequentes proveitos económico-financeiros que daí decorrem. Aliás, este volume surge com texto em português e em inglês, o que amplia consideravelmente a sua importância em termos de divulgação além-fronteiras da obra que André Soares deixou a Braga e à região.
Victor Blanco de Vasconcellos in Diário do Minho, 5 de Junho de 2014

Rua de S. Marcos prestou tributo à obra do arquitecto André Soares

Para o presidente da Associação Comercial de Braga (ACB), Domingos Macedo Barbosa, esta obra intitulada ‘Braga de/by André Soares’ «vai servir de embaixador da nossa cidade, vai dar a conhecer Braga pelo mundo inteiro e que pode ser bem acolhido pelos turistas que nos visitam».
Correio do Minho, 5 de Junho de 2014

Livro “Braga de André Soares” faz renascer património bracarense

As obras-primas do Barroco e Rococó que o arquitecto setecentista André Soares deixou na cidade de Braga e na região estão, desde ontem, fixadas em livro, da autoria do historiador de Arte Eduardo Pires de Oliveira, com fotografias do editor Libório Manuel Sarmento Silva.


O lançamento do livro motivou o interesse de algumas centenas de pessoas, que lotaram a Capela da Piedade e depois o Tesouro-Museu da Sé, onde foi inaugurada a exposição das fotografias nele insertas, que podem continuar a ser apreciadas neste espaço museológico, sito na Rua D. Diogo de Sousa.
Na sessão solene, o também historiador de Arte cónego José Paulo Abreu salientou «a absoluta importância do legado de André Soares»


O livro conta ainda com prefácio do consagrado historiador de Arte Vítor Serrão que considerou o Livro como «um marco para o estudo da arquitectura de André Soares (século XVIII) mas também para a arte nacional».

Diário do Minho, 31 de Maio de 2014

Obras de André Soares podem tornar-se numa alavanca da economia bracarense
Eduardo Pires de Oliveira e Libório Manuel Silva são os responsáveis pela obra ‘Braga de André Soares’, livro que nas palavras de Vítor Serrão é «um projecto ambicioso sobre o famoso arquitecto do século XVIII», que nos levará, segundo Henrique Barreto Nunes, a ter «um novo olhar em relação ao Palácio do Raio, ao edifício da Câmara Municipal de Braga, à Capela de Santa Maria Madalena, aos Congregados, à Capela da Senhora da Torre, assim como perante tantas outras obras da autoria de André Soares».

A apresentação esteve a cargo do cónego José Paulo Abreu e de Henrique Barreto Nunes, os quais não pouparam elogios à obra de André Soares e a este livro que a essas mesmas obras se refere.

Correio do Minho, 31 de Maio de 2014

Eduardo Pires de Oliveira (textos) e Libório Manuel Silva (fotos) publicam obra monumental sobre André Soares

Diário do Minho – Suplemento Cultura, 28 de Maio de 2014

 

Photos